O batismo nas águas

Introdução

Ao aceitarmos a Jesus como nosso Salvador, morremos assim para o mundo e vivemos para Deus. Antes estávamos mortos para Deus e fomos vivificados em Jesus. Sendo assim, nasceu então uma nova criatura (2 Co 5:17). Quando um ser humano morre, rapidamente ele é enterrado. Da mesma forma quando o velho homem morre, precisa-se sepultado nas águas. É este o significado do batismo: o sepultamento do velho homem. Através do batismo o fiel cristão passa integrar oficialmente a Igreja (esta é a razão pela qual algumas Igrejas só permitem o cristão cear após o batismo nas águas).

1. Uma ordenança de Jesus

O batismo nas águas, não é um pedido, mas sim uma ordem direta de Jesus para todos os que quiserem fazer parte da Igreja e entrar nos céus (Mt 28:19-20), e deve ser realizado uma única vez (Ef 4:4-5). O batismo representa o testemunho público de arrependimento de pecados. Se o pecador reconheceu que o que fazia era algo errado e terrível aos olhos de Deus, deve então deixar para traz tudo aquilo que praticou e produzir frutos de arrependimento (Mt 3:7-8 / At 19:4 / Sl 51:10 / Pv 28:13). O batismo é para os arrependidos, para os que são nascidos de Deus, para os que deixaram para traz a vida de pecados e estão salvos em Jesus.

O batismo não tem poder de salvação, mas os salvos devem ser batizados. Se o crente esclarecido no assunto, livre e desimpedido recusar o batismo, é um indício de não querer assumir um compromisso real com Deus (1 Sm 2:30). Ele ainda está apegado aos prazeres do mundo e não deseja abrir mão disso, provando assim que ainda não foi liberto (Jo 8:36). Comporta-se como a mulher de Ló que estava com o seu coração preso a Sodoma e a Gomorra, e por isso ficou para trás (Gn 19:26). Devemos, pois cortar todo o laço com o mundo e abraçar a Jesus. “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele” (1 Jo 2:15). O batismo é necessário para o verdadeiro cristão. Precisamos ter em mente que somos cidadão dos céus e que estamos nesta terra de passagem. Somos peregrinos em terra estranha e não podemos nos apegar a este mundo, pois corremos o risco de se estabelecer nele. Leia o capítulo 11 de Hebreus.

2. Tipos de Batismo

a) Imersão – É o tipo de batismo em que a pessoa é submersa nas águas o que representa o sepultamento do velho homem (Cl 2:12). Foi esse o tipo de batismo realizado por Jesus e seus discípulos (Mt 3:13-16 / Jo 4:1-2 / Jo 3:22). O batismo pode ser realizado no rio, no mar, na piscina, na lagoa, cachoeira e etc. Desde que haja o ajuntamento de águas suficiente para mergulhar uma pessoa por inteiro.

b) Aspersão – Consiste em aspergir (respingar ou derramar) um pouco de água sobre a cabeça do indivíduo. Algumas Igrejas adotam esse tipo de batismo, embora não há base bíblica para isso. Comumente é aplicado em pessoas muito enfermas no leito de morte ou que estão impossibilitadas de se locomoverem. Algumas Igrejas fazem deste tipo a sua forma principal de batismo nas águas e não apenas como um último recurso em situações extremas (Tem que se respeitar!).

3. Idade para se batizar

Não existe idade ideal para ser batizado, pois o batismo é para a pessoa que tem plena consciência dos seus pecados, que está profundamente arrependida dos mesmos e decidida a não mais cometê-los. Porém uma criança não tem conhecimento das consequências dos seus atos por viver no período da inocência. Recomendamos que seja a partir dos 12 anos, observando que o batismo é um ato consciente, voluntário, de amor e fé.

4. Em quais nomes devemos ser batizados

Jesus ordenou que batizássemos todos os crentes em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mt 28:19). Se algum cristão foi batizado em nome da Trindade, este batismo é válido, independente da denominação evangélica pela qual foi batizado. Porém se foi batizado em nome de uma ou duas pessoas da Trindade, somente, então deverá ser batizado novamente em nome da Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), independente da denominação evangélica pela qual foi batizado.

5. O grande juramento

Para passarmos pelas águas, precisamos apresentar “frutos de arrependimento” (Mt 3:7-8). O cristão precisa estar liberto dos pecados (vícios e costumes do velho homem), precisa alcançar da Igreja o testemunho de que nova criatura é. Se a Igreja testificar de que este crente está liberto, então poderá passar pelas águas, caso contrário terá de aguardar o próximo batismo fazendo por onde alcançar o testemunho de aprovação da Igreja.

Desta parte do texto em diante tudo descrito aqui se aplica apenas à Igreja Comunidade Evangélica Céu dos Céus-RJ. Este procedimento muda de Igreja para Igreja e neste caso recomendo consultar as normas da Igreja da qual deseja fazer parte.

No dia do batismo, já nas águas, serão feitas duas perguntas (juramento):

a) O irmão está disposto a seguir a doutrina da Igreja e a obedecer ao teu pastor? A resposta deverá ser SIM. Qualquer resposta fora disso elimina o candidato.

b) O irmão crer que Jesus Cristo é o Filho de Deus que veio ao mundo e morreu na cruz para te salvar? A resposta deverá ser CREIO. Qualquer resposta fora disso elimina o candidato.

O pastor oficiante declarará: Irmão (fulano de tal) segundo a tua confissão seja batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito santo.

A partir do juramento e do batismo nas águas, o novo crente terá direitos e deveres com a Igreja, tornando-se um membro ativo da comunidade cristã. Estará sujeito a todos os benefícios de um membro como também a todas as punições descritas no regimento e estatuto da Igreja, caso venha a desonrar o bom nome de Jesus.

6. São direitos dos membros

a) Participar das atividades da Igreja;
b) Participar das reuniões gerais, com direito ao uso da palavra e ao exercício do voto;
c) Participar dos cultos, celebrações, eventos e demais atividades promovidas pela Igreja;
d) Receber assistência espiritual da Igreja.

7. São deveres dos membros:

a) Manter uma conduta compatível com os princípios éticos, morais e espirituais de acordo com os ensinos da Bíblia Sagrada;
b) Exercitar os dons e talentos de que são dotados e contribuir com dízimos e ofertas, para que a Igreja atinja seus objetivos e cumpra sua missão;
c) Exercer, com zelo e dedicação, os cargos para os quais forem eleitos.

8. Penalidades e Advertências

Perderá a condição de membro da Igreja aquele que for desligado, pelo pastor presidente:
a) Se infringir os princípios éticos, morais e da boa conduta, defendidos pela Igreja, com fundamento nas Sagradas Escrituras;
b) Defender e professar doutrinas ou práticas que contrariem a Declaração Doutrinária da Igreja;
c) Ausentar-se dos cultos e deixar de participar das atividades eclesiásticas, por tempo julgado suficiente para caracterizar abandono e desinteresse pela Igreja e a obra que realiza.

Todo membro da Igreja terá amplo direito a defesa.

Lembre-se de que Deus exige do seu povo santidade (1 Ts 3:13 / Lv 20:7 / 1 Pd 1:16).

Obs: Volto a lembrar que algumas regras quanto a membresia diferem de Igreja para Igreja. As regras acima se aplicam à Comunidade Evangélica Céu dos Céus, no Rio de Janeiro. Todas as perguntas feita aos candidatos no dia do batismo são apresentadas e discutidas durante o curso de discipulado pelo pastor. Não há surpresas!

Pr.Bezaleel

Pastor, teólogo e pai de família.