A oração e o jejum

Mateus 21.22 E tudo o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis.

1. O que é a oração e a quem deve ser endereçada a nossa oração

Oração é uma conversa. Diariamente conversamos com várias pessoas e através das palavras expressamos os nossos sentimentos, vontades, interesses e etc. Da mesma forma que conversamos com os nossos amigos, colegas de trabalhos e a nossa família, precisamos conversar com Deus, pois ele é o amigo fiel. Deus gosta de conversar com a sua criação (os seres humanos), Deus tem interesse em saber como foi o nosso dia (Gn 3:8) e preza pela nossa amizade. É bom ser amigo de Deus (Tg 2:23 / 4:4). Quando o crente ora, está falando com Deus Pai (Jeová) através de Jesus e com a ajuda do Espírito Santo. Toda oração deve ser dirigida a Deus e somente a Deus. Jesus é mediador entre o homem e Deus. Por isso toda e qualquer oração dirigida a Deus pai, deve ser em nome de Jesus. Deus não ouve oração alguma que não seja em nome de Jesus. Por exemplo: “Senhor meu Deus e Pai, venho a ti nesta oração por intermédio de Jesus…” Ao finalizar diga: “Estas são as bênçãos que te peço e já te agradeço em nome de Jesus”.

2. Objetivos na oração

Quando conversamos com alguém com o objetivo de apenas jogar conversa fora, dificilmente obteremos atenção e não seremos levados a sério. Da mesma forma quando conversamos com Deus devemos ter uma conversa sadia, equilibrada e objetiva. Devemos compartilhar o nosso sentimento com Deus, abrir o nosso coração e falar sempre a verdade (At 5:4). Se existe alguém que pode nos ouvir e nos ajudar, este alguém é o Senhor (II Cr 7:14). Devemos chegar diante de Deus com toda sinceridade e propósito no coração. Não podemos chegar diante dele, indecisos e sem saber o que realmente queremos (Tg 1:6-7 / Mt 21:22). Quando oramos falamos com Deus e se pela fé temos a certeza de que ele nos ouve, então nossas orações são respondidas (Jo 5:14-15).

3. Impedimentos à oração

Quando falamos com Deus, a nossa oração sobe até o trono da graça. E até lá chegar a oração enfrenta obstáculos poderosos (Ef 6:12 / Dn 10:12-13), por isso a Bíblia nos adverte a insistir na oração (Mt 7:7 / 1 Ts 5:17). Não devemos pedir o mal ao nosso próximo e nem vingança (Dt 32:35 / Rm 12:17 / 1 Ts 5:15), pois fomos chamados para ser uma benção (Gn 12:2), amar e perdoar os nossos inimigos (Mt 5:44) e proclamar a libertação (Is 61.1-3). Lembre-se que o Senhor é o Justo Juiz (II Tm 4:8) e o que o homem plantar irá colher (Gl 6:7). Devemos orar e vigiar (Lc 21:36 / Mt 26:41) e não provocar a ira de ninguém (Ef 6:4 / Hb 12:14 / Rm 12:8). Devemos ter fé e ousadia em nossas orações para reinvidicar as bênçãos prometidas pelo Senhor, que estão contidas na Bíblia Sagrada. Porém devemos entender a vontade soberana de Deus para as nossas vidas e que nós somos criatura e ele o Criador, nós somos servos e ele é Senhor. Não temos o direito de ofender o Criador (Ml 3:13). Devemos respeitar o tempo e a vontade de Deus para a nossa vida (Ec 3:1 / 8:6).

4. Resultados obtidos com a oração

Elias orou para que chovesse e choveu (I Rs 18:41-45). Orou também para que descesse fogo do céu e fogo desceu (I Rs 18:22-38). Orou para que o filho da viúva ressuscitasse e ressuscitou (I Rs 17:19-22). Daniel pediu a Deus a interpretação do sonho de Nabucodonosor e o Senhor o respondeu (Dn 2:17-19). Manassés implorou a Deus pela sua vida e o Senhor o livrou da morte certa (II Cr 33:11-13). Ana pediu um filho a Deus e o Senhor lhe deu vários (I Sm 1:10-11 / 2:21). Jesus na terra viveu constantemente em oração.

5. O que é o jejum

Há um ditado antigo que diz: “aonde a oração para o jejum prossegue”. O jejum é a continuidade da oração e é uma das armas que Deus colocou a disposição da Igreja. Segundo o dicionário Aurélio, jejuar é “abster-se de algo” e jejum é “abstinência total ou parcial de alimentação em certos dias…” e segundo o Dicionário da Bíblia de Almeida, jejum é a “Prática de não se alimentar por certo tempo (I Rs 21:9). Como prática religiosa, é voluntário, exige pureza de vida (Is 58:3-7) e exclui a exibição (Mt 6:16-18). Em ocasiões especiais a igreja, seguindo o costume judaico era convocada para jejuar (At 13:2-3; 14:23)”.

6. A necessidade do jejum

Jejuamos quando encontramos barreiras em que a nossa oração parece não ter a eficácia necessária. Situações em que a oração por si só não apresenta resultados satisfatórios. O jejum é sempre com o objetivo da santificação pessoal.

7. Tipos de jejum (relativo, parcial e absoluto).

Relativo – Abstenção de algumas “coisas” (Dn 1:5-15).
Parcial – Está escrito que Jesus teve “fome”, mas não “sede” (Mt 4.2).
Absoluto – O mais comum e usado por Moisés no Sinai (Ex 34.28) – Abstenção total de alimentos e água.

8. Resultados obtidos com o jejum

Vence Batalhas (Jz 20:26-28), expulsa legiões de demônios (Mt 17:21), ajuda a proteger vidas (Jn 3:5) e etc.

9. A poderosa combinação da fé, oração e o jejum.

Quando o crente confia no poder de Jesus e se propõe a clamar e a jejuar, ele abala os céus, a terra, o inferno estremece e Jesus é glorificado.

10. Excessos no jejum

Devemos respeitar os limites do nosso corpo e não forçá-lo em demasia provocando com isso enfermidades ou até mesmo a morte, pois Deus não aceita sacrifício de tolo e o melhor é obedecer do que sacrificar (I Sm 15:22). O jejum geralmente começa a meia noite e vai até onde o corpo aguentar. Se só tens força pra jejuar até as 10 horas da manhã, jejue e não vá até as 12 horas. O cristão não pode tratar mal o seu corpo que é templo do Espírito Santo (I Co 6:19).

Pr.Bezaleel

Pastor, teólogo e pai de família.